Esse site tem o objetivo de relatar todo o conhecimento sobre o homem e Deus.Como fazer para crescer espiritualmente,ser uma pessoa melhor, mais sábia. Desde materiais,mensagens e grandes homens que marcaram o mundo com sua luz. Esse site despretensioso tem a finalidade de que possa ser útil para ir em busca do autoconhecimento e despertar da consciência, acordar do sonho físico que nos limita tanto.Despertar do sono para podermos encontrar a alma, o Deus que habita o interior de cada ser.

Arquivo do blog

quarta-feira, 29 de abril de 2009

*



A Total Experiência – Kriya Yoga

Proferido por Swami Satyananda Saraswati

[na Convenção da União Europeia das Federações Nacionais de Yoga em Zinal, Suíça, 1977.]

Na ciência do tantra, kriya yoga é uma das formas utilizadas para despertar a consciência espiritual do homem. Tradicionalmente, este sistema foi transmitido apenas a partir de guru para discípulo, mas agora chegou o momento para que ela seja mais amplamente conhecida. Na verdade, em muitas tradições antigas em todo o mundo, houve práticas místicas que eram semelhantes aos kriya yoga e foram comunicadas da mesma maneira.

A palavra "kriya” significa movimento. Neste sentido, ela representa a circulação interna da consciência, e seu objetivo é a evolução dessa consciência. A consciência individual é inerente a todo ser vivo. É a alma e o espírito de cada partícula de existência, e dentro de cada átomo desta existência existem movimentos invisíveis acontecendo. Tudo está a evoluir, avançar e a mudar a cada segundo. O conjunto da existência está inexoravelmente caminhando para um cumprimento e este movimento é chamado de evolução. A palavra "kriya” simboliza este movimento e, portanto, kriya é inerente em cada partícula da criação.

Evolução é a lei da natureza e todos nós estamos evoluindo inconscientemente, automaticamente, mas esse movimento natural de evolução para nós precisará de milhões de anos. A fim de acelerar este movimento interior de evolução em nós, tantra formulou muitas práticas, uma das quais é o movimento cósmico de kriya yoga.

Qual é esta evolução? O primeiro processo de evolução é a produção de energia a partir da matéria. Durante o curso de milhões de anos que os seres humanos têm existido no planeta, temos a nossa consciência consideravelmente liberada (não completamente) a partir da existência do instinto bruto, e nós nos tornamos mais conscientes da existência, em relação ao tempo e espaço. Durante o período anterior, quando ainda vivíamos no plano instintivo, fomos sensíveis a estímulos sensoriais, fomos capazes de desfrutar, e fomos capazes de expressar o sofrimento, como vemos agora no reino animal. No entanto, definitivamente temos passado por essa fase da nossa existência - não completamente, talvez metade ou um pouco mais da nossa existência é ainda sobre o plano instintivo. De certa forma, continuamos a pensar e agir instintivamente através da mente e dos sentidos, porque não sabemos como fazê-lo, mas apenas porque isso acontece. No entanto, com o advento da humanidade, temos desenvolvido uma maior consciência, uma realização do eu. Não estamos apenas conscientes do nosso ambiente, estamos conscientes de nós mesmos. Assim sendo, temos um maior conhecimento e um maior controle sobre a nossa consciência. Eu sei que eu sou, mas também sei que eu sei que sou. Isto é auto-consciência e esta é a evolução.

No curso da evolução, temos agora ao ponto em que estamos conscientes da nossa existência, mas esta evolução levou milhões de anos. Se permitirmos que a natureza tenha o seu próprio curso, pode levar muitos mais milhões de anos para evoluir plenamente para nós, e talvez antes deste planeta chegar a um fim. Portanto, a finalidade da kriya ioga é para acelerar esta evolução. Então nós não só nos tornaremos conscientes do conhecimento da nossa própria existência, mas também tornaremo-nos consciente da verdadeira natureza de toda esta existência.

Quem sou eu? Esta é a pergunta e, naturalmente, há uma resposta, mas essa resposta não é muito clara. A resposta não é clara, porque ela só pode ser derivada da própria experiência e muitas pessoas não têm essa experiência. Felizmente, para nos ajudar a evoluir a mente para que nós possamos experimentar nossa verdadeira e mais elevada natureza as práticas eficaz de kriya yoga vieram como salvamento. Como já disse, kriya yoga é um sistema de práticas independentes do Tantra, mas primeiro você precisa dominar perfeitamente as práticas de hatha yoga pelo qual, sem esse domínio, você não será capaz de praticar kriya ioga com êxito. Portanto, você deve praticar as seis técnicas de hatha yoga para purificar toda a estrutura física. Então kriya yoga se torna fácil. Kriya yoga em si é uma combinação de mudras, bandhas, pranayamas, asanas e conscientização que levará a um despertar da Kundalini em mooladhara chakra, mas isso só ocorrerá de acordo com a purificação do corpo. Se os nadis são purificados, em seguida, o despertar da Kundalini se torna uma experiência divina.


______________________



As práticas próprias

1. Viparita Karani Mudrá – Primeiro Kriya

A primeira prática de kriya yoga é "vipareeta karani mudra". A posição é a mesma que está no hatha yoga, mas para além desta, a consciência muda o fluxo de Shakti. Começa a partir de manipura chakra - o centro da coluna vertebral por trás do umbigo - e com a ajuda de Pranayama, e da vontade, a Shakti é preparada para alterar o seu curso de baixo para cima, em direção a vishuddhi chakra que está localizado na coluna vertebral atrás da garganta. Este exercício é praticado 11 vezes com os olhos abertos e o corpo imóvel.

2. Chakra Anusandhana – Segundo Kriya


A segunda Kriya é a descoberta dos chakras e é conhecida como “chakra anusandhana”. Neste aspecto, estamos tentando descobrir e aprender a direita localização do chakras no nosso corpo. Mooladhara chakra situa-se no períneo, no masculino, enquanto no sexo feminino que está por trás da boca do útero (cervix). Swadhisthana chacra está na parte inferior da medula espinhal.

Manipura chakra é na coluna vertebral por trás do umbigo. Anahata chakra está na coluna logo atrás do esterno ou do coração. Vishuddhi chakra é na coluna vertebral por trás da garganta, e ajna chakra está no topo da coluna vertebral, atrás do centro sobrancelha. Bindu ou "bindu visarga" está na parte superior traseira da cabeça onde hindus têm seu tufo de cabelo, e sahasrara chakra está logo abaixo da região frontal superior do crânio, dentro do cérebro.

A maioria dos chakras também têm seus respectivos centros na frente do corpo. Mooladhara realmente não tem nenhuma outra ligação do centro, mas swadhisthana tem o seu centro de ligação da região abdominal inferior, a área pubiana, na parte superior da raiz urinária órgãos. O centro de ligação do manipura chakra é o umbigo, Anahata é a região do coração, vishuddhi o da garganta, e para ajna centro ou brumadhya, é a sobrancelha. Sahasrara centro tem a sua ligação no mooladhara chakra. Mooladhara é a chave para sahasrara; e bindu visarga não tem qualquer centro de ligção.

É importante para nossa prática obter conhecimentos suficientes dos chakras de modo que quando formos meditar mais tarde, não tenhamos qualquer dificuldade em encontrá-lo. Isto pode ser feito em qualquer sessão de postura fácil, não necessariamente padmasana ou siddhasana. Você pode manter os olhos abertos ou fechados. Esta é uma prática mental, mas não tente se concentrar. Apenas visualize os centros de ligação para baixo, ao longo dos chakras. Primeiro pense no mooladhara chakra, então no centro swadhisthana e, em seguida, manipura chakra e, em seguida, Anahata chakra e, em seguida, vishuddhi chakra e imediatamente volte para bindu. A descida através da passagem da coluna vertebral começa em bindu. De bindu ir para ajna, de ajna para vishuddhi, de vishuddhi para Anahata e, em seguida, manipura, swadhisthana, mooladhara. Esta é uma volta. Você tem de praticar nove voltas, ascendendo pela passagem frontal e descendo pela passagem através da coluna vertebral. Esta técnica é a base de todas as práticas em kriya yoga.

3. Nada Sanchala – Terceiro Kriya


A terceira prática é onde começa o verdadeiro kriya yoga. Ela é conhecida como “nada sanchalana que é fazer vibrar o som [pranava OM].

Sentado em uma postura confortável, com ambas as mãos sobre os joelhos, os olhos abertos; e não tente se concentrar. Nesta prática você primeiro tem que aumentar o seu conhecimento através da passagem da coluna vertebral ate o frontal, ou bindu [ponto interno no entrecenho]. Mantenha a percepção em bindu por três segundos e, em seguida, faça vibrar o som descendo sua percepção por sushumna. Isto deve ser praticado 13 vezes.

- Jalandhara Bandha

Sente-se em uma postura confortável com as mãos sobre os joelhos, os olhos abertos. Agora pratique apenas jalandhara bandha. Concentre-se no mooladhara chakra. Mentalmente repita três vezes, «mooladhara, mooladhara, mooladhara".

- Ujjayi Pranayama

Depois inalar o ar com ujjayi até passagem frontal, movendo a cabeça para cima quando você passar pelo vishuddhi [região da nuca] para então se concentrar no bindu com Akashi mudra [*]. Então, diga "bindu, bindu, bindu" enquanto você domina o Prana lá. Em seguida, solte um longo OM e imagine que o som é conduzido lentamente para baixo [pela coluna vertebral] até mooladhara. Manter o Prana no mooladhara dizendo "mooladhara, mooladhara, mooladhara”. Práticar jalandhara. Novamente exale com ujjayi através da passagem frontal, do mooladhara até o bindu com Akashi mudra.

4. Pawan Sanchala – Quarto Kriya

Vou agora dar-lhe o quarto kriya yoga, "Pawan sanchalana". Não mude a sua postura ou feche os olhos, basta seguir minhas instruções. No fundo, no períneo ou o colo do útero, está o mooladhara - basta dizer mentalmente "mooladhara”. Em seguida, suba até a frente para a raiz dos órgãos urinários - mentalmente diga "swadhisthana”. Não tente se concentrar. Agora leve a sua mente para o umbigo - basta dizer mentalmente "manipura". Em seguida, leve a sua sensibilização para o centro do coração e diga: "Anahata". Não tensione os olhos, fique à vontade. Então traga a sua mente para a garganta, diga mentalmente "vishuddhi”. Em seguida, vá para bindu e diga mentalmente "bindu".

Agora a descida de bindu. Logo atrás do centro da sobrancelha pense por um momento e diga mentalmente "ajna”. Então traga a sua mente para baixo da coluna vertebral, pela passagem do pescoço [nuca] e diga mentalmente "vishuddhi”. Agora passe para baixo da coluna a nível do coração, concentre e diga mentalmente "Anahata". Atrás do umbigo na coluna vertebral diga mentalmente "manipura". Na raiz da medula espinhal mentalmente diga "swadhisthana” e, em seguida, volte ao mooladhara. Este é um ciclo. Você deve executar 9 ciclos. Não feche seus olhos, não tensione seus olhos e corpo. Basta mover sua consciência.

*** [Ele isntrui para que se mentalize os chakras pela frente na subida e pela coluna na descida] ***

De todas as práticas kriya tantra diz que "maha mudra” e “bheda maha mudra" são as duas mais importantes. Muitos de vocês devem ter lido os livros de Sir John Woodroffe e também as traduções de “Satchakra Nirupana”. Nestes você poderá ver as posturas físicas de maha mudra e maha bheda mudra. O maha mudra de kriya yoga é um pouco mais avançado do que o maha mudra do hatha yoga. Incorpora "shambhavi mudra", o olhar deve permanecer concentrado no entrecenho e “moola bandha” deve ser feito, que é a contração do períneo. Moola bandha é um nome curto para "mooladhara bandha”. Esta contração é geralmente difícil porque a maioria das pessoas não têm controle sobre suas músculos. Assim, não só contrai-se mooladhara, como também o ânus, swadhisthana e meia dúzia de outros músculos ao mesmo tempo. Portanto, temos de praticar uma e outra vez até que se obtenha a maestria neste exercício. Maha mudra só pode ser praticado em siddhasana ou na pada uttanasana.

Existem muitas práticas auxiliares que são consideradas muito importantes na kriya yoga.

Um deles é vajroli mudra, contração do vajra Nadi que controla a quase totalidade do aparelho urinário e sexual complexo.

Você também deve, além disso, aperfeiçoar nasikagra drishti, que é fixar a atenção na ponta do nariz. Aqueles que concentram-se na ponta do nariz por um determinado tempo, desenvolvem a capacidade do cheiro psíquico de fragrâncias.

Shambhavi mudra (bhrumadhya drishti) é fixar a atenção no entrecenho.

Depois, há Akashi mudra, que é a percepção do espaço interno, e unmani mudra, a postura meditativa. Você também tem de conhecer jalandhara bandha, uddiyana bandha, khechari mudra e naumukhi mudra.

Em naumukhi [também conhecido como yoni mudrá associado ao vajroli e ao moola bandha] você fecha todas as nove portas: os dois olhos, duas orelhas, boca, nariz e canais de excreção. Através de vajroli fecha a porta urinária, com moola bandha fecha a porta excretora, com Yoni mudra fechar o resto. Então você despertar o tridente de Shiva, em sushumna. Este tridente não é feito de cobre. É feito dos mais sutis, divinos e celestiais elementos, e seus dentes de garfo afiados perfura bindu na parte superior e posterior da cabeça.

Há vinte e sete práticas em kriya yoga, mas catorze são suficientes. Após a sétima prática não é mais necessário fazer Pranayama externo e o Pranayama é então realizado internamente. Kumbhaka, rechaka e puraka - retenção, inalação e exalação, são então realizados em um plano completamente diferente. Após a décima prática, os olhos ficam fechados, o corpo fica imóvel, o eu torna-se independente do objeto da consciência. A mente é levada até um ponto, a consciência de Shiva Linga é despertada e o corpo astral é levado à frente de nossa mente. Quando você é capaz de lidar com a mente, então você é capaz de lidar com qualquer coisa na vida.

Aqueles que praticam kriya yoga, mas não podem realizar todas as catorze kriyas, devem pelo menos fazer maha mudra e maha vheda mudra. No entanto, aqueles que realmente estão interessados em desenvolver a realização interna devem assumir a plena prática de kriya yoga. Escrevi um manual completo sobre kriya yoga e a minha opinião pessoal é que, nesta idade, quando as mentes estão tão agitadas, estas práticas devem ser disponibilizadas gratuitamente ao aspirante.

Kriya Yoga é um dos métodos mais eficaz para se aproximar da consciência interior. De acordo com a filosofia do tantra, toda as pessoas têm direito a um maior desenvolvimento. Por conseguinte, pelo seu estatuto pessoal de vida, se você é homem ou mulher, brahmacharya, dona de casa ou sannyasin isso não importa. Kriya Yoga é aberto a todos.

Em kriya yoga o aspirante não entra em meditação, ele experiencia a meditação. O ego já está sereno. O eu está sempre em equilíbrio eterno. Samadhi não é uma conquista, é o conhecimento já existente em nós. Através da prática de kriya yoga um despertar ocorre em mooladhara, então a mente de repente entra no estado de samadhi, eu não uso a palavra 'transe' - samadhi é absoluto equilíbrio. Eu não considero a meditação como um estado interno absoluto de equilíbrio. O estado de meditação, o estado de samadhi inclui todas as dimensões da consciência, consciência externa, bem como consciência interna, e estas devem ser experimentadas simultaneamente. Durante a prática da meditação você está transcendendo a experiência externa, mas definitivamente você tem como extender a sua mente para a consciência externa. Em samadhi, a mente, o ego e o espírito se tornam homogêneos, e para que esse espírito, para que a consciência que é samadhi, tanto interna quanto externa conscientize-se de que são os mesmos. Kriya Yoga meditação é uma experiência total, e quando utilizamos a expressão "experiência total" significa que a experiência da vida interior e exterior da vida, ao mesmo tempo. O ego, o espírito ou a consciência torna-se uma testemunha de todos os estados da mente e de todos os estados de consciência.


_____________________



Observações:

Para consultar os exercícios descritos, termos Sânscritos:

1. Os Bandhas necessários e descritos no texto são:

"No Shiva Samhita eles são descritos na seguinte ordem:

1. Maha-Bandha

2. Mula-Bandha

3. Uddhiyana Bandha

4. Viparit-Karana Bandha (*)

* (não é um bandha, pois bandhas são contrações)”

1. Múla Bhanda - contração dos esfíncteres do ânus e da uretra;

2. Uddhiyana Bandha - sucção abdominal, contraindo a parede abdominal;

· Tamas Uddiyana Bandha - contração do caminho para cima;

· Rajas Uddiyana Bandha - contração do caminho para cima em movimento;

3. Jalándhara Bandha - contração do pote d' água - contração da garganta;

4. Jihva Bandha - compressão da língua contra o palato mole;

5. Bandha Traya ou Maha-Bandha - contração tríplice (jalándhara, uddiyana e mulá bandha).


1. Técnica do Mula-Bandha

Mula Bandha é a contração e a elevação do períneo, região central do assoalho pélvico. Para localizar o períneo você pode tentar primeiramente fazer a contração dos esfincteres do anús e da uretra separadamente. O Mula Bandha é a contração da região que fica entre estes dois esfincteres. A contração do baixo ventre, localizado dois dedos abaixo do umbigo também faz parte do Mula Bandha. A contração do esfíncter anal empurra o prána para cima, forçando a romper o primeiro granthi (nó psíquico) - que é o Brahmá granthi – localizado no muládhára chakra.

2. Técnica do Uddhiyana Bandha

Esta bandha é excelente no trato dos males abdominais e como ela trabalha intensamente a região do Manipura Chakra, automaticamente haverá uma melhor distribuição de Prana por todo o corpo. Para executá-la o praticante deve expirar, prender a respiração e contrair os músculos abdominais, tentando puxá-los para cima ao máximo. Mantenha o máximo de tempo que for possível. Libere a contração e inspire lentamente. Esta bandha pode ser praticada em pé, mas o ideal é em uma postura sentado, e sempre de pulmões vazios.

Indicações e contra-indicações:

· Mulheres grávidas não podem praticar,

· Sempre de pulmões totalmente vazios.

3. Técnica do Jalándhara Bandha

Esta bandha tem a principal finalidade de proteger o coração e todo sistema vascular contra os perigos das retenções prolongadas na execução dos pranayamas. Ela impede que o cérebro receba a informação da retenção e, assim, não há em contrapartida o comando do aumento dos batimentos cardíacos. Para executar esta bandha o praticante deve inspirar, prender a respiração, baixar a cabeça e pressionar o queixo contra o esterno. Levante a cabeça lentamente e expire devagar. Esta bandha pode ser praticada em pé, mas o ideal é em uma postura sentado.

Indicações e contra-indicações:

· Evita a tontura, zumbido, desfalecimento e estimula a tireóide e paratireóide,

· Leva ao controle sobre as correntes prânicas do tórax e garganta,

· Estimula o Bulbo Raquidiano,

· Pressiona Ida e Pingala,

· Desenvolve a percepção extrasensorial,

· Alonga a musculatura dorsal,

· Promove a tração na medula, que estimula os nervos raquidianos,

· Combate o stress, raiva e tensão.

4. Técnica do Jihva Bandha

Jhíva significa língua. É uma contração intensa da língua contra o palato mole, na parte de trás do céu da boca.

Na mitologia indiana, amrita (ou soma, elixir da vida) é o néctar da imortalidade (que secreta de um centro oculto da cabeça) do qual os asuras (que significa os que "não bebem"), não podiam sorver; ele é representado pela lua.

O amrita (néctar da imortalidade) tem duas maneiras de fluir: uma pelo canal esquerdo (idánádí) que nutre o corpo; a outra é pelo canal central (sushumnánádí), o que cria a lua (chandra) na cabeça, de onde o néctar provem. O fluxo aumenta quando a kundaliní atinge o vishudha chakra. O hathavidyá nos ensina que quando o kecharí mudrá é feito da maneira correta, i.e. quando a ponta da língua atinge a cavidade posterior à úvula, onde se situa o triveni, ponto de confluência das três principais nádís, produzindo uma massagem nas glândulas pineal e pituitária, o amrita é finalmente produzido em sua maior excelência.

5. Técnica do Maha-Bandha

1. Sente-se em siddhasana ou padmasana.

2. Mantenha as mãos nos joelhos, os olhos fechados e a coluna ereta.

3. Inspire lentamente pelas narinas.

4. Exale com força pela boca.

5. Retendo a respiração com os pulmões vazios, faça bandha traya e jalandhara.

6. Repita mentalmente “muladhara, manipura, vishuddha”, concentrando-se sucessivamente nestes três chakras.

7. Ao exalar, relaxe os bandhas.

8. Inspire e exale controladamente.

9. Isto é um ciclo.

____________________________

2. Os Mudrás necessários, alguns deles descritos no texto, são:

1. Akashi Mudra (Conscientização de espaço interno)

Sente-se confortável em qualquer meditação asana. Feche os olhos e relaxar todo o corpo por alguns minutos. Dobre para trás a língua contra o palato no khechari mudra. Prática ujjayi Pranayama e shambhavi mudra. Simultaneamente dobrar a cabeça para trás cerca de 45 graus. Endireitar os braços e bloquear os cotovelos, os joelhos pressionando com as mãos. Respire devagar e profundamente no ujjayi. Continuar durante o tempo que você se sinta confortável. Dobre os cotovelos e relaxe khechari e shambhavi mudras. Parar ujjayi e levantar a cabeça para a posição vertical. Respire normalmente por alguns segundos e ser consciente do espaço interno, antes de iniciar a próxima rodada.

Esta prática combina os benefícios da kumbhaka, ujjayi, shambhavi, khechari. Pode induzir calma e tranqüilidade, e desenvolver o controlo sobre os sentidos. Quando é aperfeiçoada, é o pensamento detenções e processos induz maiores estados de consciência.

2. Técnica do Yoni-Mudrá

Sente-se na postura de meditação com a coluna vertebral erguida, descansando os pés sobre o chão, o queixo paralelo ao piso, a parte interna dos ombros deve estar tão juntas quanto possível, o peito para fora e o abdômem para dentro. Coloque o dedo polegar da mão esquerda sobre o trágus do ouvido esquerdo e o polegar da mão direita sobre o trágus do ouvido direito. [o trágus é a pequena prolongação carnosa que se encontra na frente da abertura do ouvido].

Coloque suavemente, mas com uma ligeira pressão, a última falange do dedo indicador de cada mão sobre o canto externo das pálpebras fechadas. Coloque os extremos dos dedos médios em ambos os lados do nariz, próximo às fossas nasais.

Coloque o dedo anelar na parte superior dos extremos da boca e os dedos mindinhos na parte inferior.

Com os dedos colocados suavemente nesta posição, inspire fazendo o som de “oooo” com a técnica de Kriya Yoga, fazendo subir a corrente fria pelo canal cérebro-espinhal desde o cóccxis até a ponta situada no meio das sobrancelhas, ao mesmo tempo que dirige a vista para cima, mas sem forçar, fixando a atenção com os olhos fechados no olho espiritual, o centro da Consciência Crística.

Suspendendo a respiração, franza o entrecenho rápido e forte, exercendo simultaneamente uma pressão firme, porém suave, com todos os dedos, a fim de fechar completamente as aberturas dos ouvidos, nariz e boca e sustentar os globos oculares olhando para cima.

Sem expulsar o alento, conte de 1 a 12 [ou mais, se puder fazer sem se sentir mal]. Observe a luz giratoria do olho espiritual: a aurora boreal espiritual.

Retire a pressão dos dedos [mas sem movê-los de suas posições] e exale fazendo descer a corrente pelo ducto espinha e fazendo o som de “iiiii”.

A prática anterior constitui um Yoni Mudrá. Pratique Yoni Mudrá 3 vezes depois de ter praticado os 14 Kriyas [depois de dhyana], tanto de manhã como à noite.

3. Técnica do Maha Mudrá

1. Sente-se, pressionando o calcanhar esquerdo no períneo.

2. Estique a perna direita diante do corpo.

3. Segure o pé direito com as mãos e tracione a coluna para cima.

4. Faça khechari mudra e, retendo o ar, jalandhara bandha eshambhavi mudra com os olhos fechados.

5. Acrescente o mula bandha ao kumbhaka.

6. Repita mentalmente “ajña, vishuddha, muladhara” durante a retenção com ar, visualizando este circuito descendente.

7. Faça cinco ciclos dessa forma e mude de lado, repetindo tudo sobre a outra perna.

8. Depois, mais cinco ciclos sobre ambas as pernas, juntas e estendidas à frente, em pashchimottanasana.

9. Esta prática deve ser feita após os asanas e o pranayama e antes da meditação.

4. Técnica do Maha Vedha Mudrá

1. Sente-se em padmasana.

2. Mantenha as costas eretas e aquiete-se.

3. Coloque as palmas das mãos no chão.

4. Inspire lentamente e retenha o ar fazendo jalandhara bandha.

5. Eleve o corpo nas mãos e deixe-o cair suavemente no solo, de três a sete vezes, mantendo a consciência no chakrabásico.

6. Exale lentamente.

7. Respire fundo três vezes, relaxando.

8. Isto é um ciclo.

5. Técnica do Kechari Mudrá

“Ke” quer dizer céu. “Kechari” significa, que a consciência permanece livre como o céu, apesar das nuvens (do pensamento), emergindo e desvanecendo-se.

O Gesto consiste em colocar a língua na posição vertical, atrás da “campainha”, na garganta, gesto que se designa por “Kechari Mudra”.

6. Técnica do Shaktini Shalini Mudrá

Kundalini está adormecida e em forma de espiral cerca de 3 centímetros acima da Mooladhara Chakra. O exercício feito para despertar Kundalini é chamado Shakti Chalini Mudra. Assim como uma pessoa é capaz de abrir um cadeado com a ajuda de uma chave, da mesma forma, uma pessoa pode alcançar um maior estado mental e espiritual na vida por este mudra.

A) Descrito no Gheranda Samhitá da seguinte forma:

Depois de inalar por pingalá, a adormecida serpente deve ser manejada mediante a técnica paridhána, a fim de move-la diariamente durante uma hora e meia, tanto ao amanhecer como ao entardecer.

(A técnica paridhána é similar ao nauli, pois consiste em mover os músculos abdominais de esquerda à direita, de direita à esquerda e em espiral.)

3:54-55. ... Sentar-se em siddhásana. Inalar prána-váyu por ambas as fossas nasais e uni-lo firmemente com apana. Contrair o recto com cuidado mediante ashvinimudra até que o váyu penetre na sushumna e manifeste claramente a sua presença.

3:56. Retendo a respiração mediante kumbhaka, a serpente kundalini sente-se afogada, desperta e ascende até brahmarandhra.

3:57. Yonimudra não se completa nem se aperfeiçoa semShakticalana. Primeiro pratica-se Shakticalana e depois aprende-se yonimudra.

B) Descrito no Shiva Samhita da Seguinte forma:

III:114. Sentado na postura vajrásana seguram-se os pés perto dos tornozelos e pressionam-se (os calcanhares) sobre o kanda.

III:115. Em vajrásana, depois de movimentar a kundaliní, o yogi deve praticar bhástriká kúmbhaka, a fim de despertá-la rapidamente.

III:116. Depois deve contrair o sol para obrigar a kundaliní a ascender. Embora se sinta chegar às portas da morte, o yogi não sente medo de nada.

[O sol, súrya, é a região do abdômen, perto do umbigo, que se contrai por meio de uddiyana bandha.]

III:117. Quando se move kundaliní sem medo por aproximadamente uma hora e meia, ela entra no canal sushumná e ascende um pouco por ele.

III:118. Desta forma, kundaliní deixa livre a entrada de sushumná, e é puxada sem esforço para cima pela corrente de prána.

_______________________

A Sequência de um Kriyaban então, seria mais ou menos assim, não necessariamente nesta ordem e havendo variações de acordo com a linhagem de ensinamentos:


  1. Vipareeta Karani Mudra (invertido fitness)
  2. Chakra Anusandana (descoberta dos chakras)
  3. Nada Sanchalana (condução sensibilização sob a forma de som)
  4. Pawan Sanchalana (conscientemente dirigir o ar)
  5. Sanchalana Shabd (rotação consciência da palavra)
  6. Maha Mudra (o poder)
  7. Veda Maha Mudra (grande capacidade de penetração psicológica)
  8. Manduki Kriya (o gesto do sapo)
  9. Tadano * Kriya (o impressionante Kundalini kriya)
  10. Naumukhi Mudra (nove portas fechadas)
  11. Shakti Chalani (aparecimento de energia)
  12. Shambhavi (o lótus de energia)
  13. Pan Amrit (néctar beber)
  14. Chakra Bhejan (penetração)
  15. Prana Ahuti (absorção do Prana)
  16. Sushuma Darshan (Visão dos chakras)
  17. Utthan (Kundalini despertar)
  18. Awaroopa Darshan (a experiência de ser real)
  19. Sanchala Linga (expansão e contração do corpo astral)
  20. Dhyana (meditação)




_______________________


Fonte de Consulta

http://www.yogamag.net/


_______________________


OBSERVAÇÃO DO AUTOR DESTE BLOG:

Toda e Qualquer Prática de Yoga, por mais simples que seja, não dispensa o auto-estudo e, se possível, a orientação de instrutores capacitados e/ou auto-realizados em seu sadhana.

A prática incorreta de determinados exercícios pode prejudicar, ao invés de auxiliar o progresso individual do yogue.


*

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário